Skip to content

mão nua

Antiguidade:

Todos os povos da antiguidade desenvolveram técnicas de combate com mãos nuas, mesmo após a criação de tantos tipos de armas como arcos, lanças, espadas e modernas como revólveres, arma de choque etc, sua prática não extinguiu. Continuamos praticando até hoje, e os motivos da épocas passadas são os mesmos – forma de defesa quando não há arma ao alcance, aprimoramento físico e forma de lazer.

Um dos exemplos mais antigos e um dos ancestrais do estilo de combate que estudamos e praticamos é o “pankration” , que é uma junção de palavras gregas “Pan” e “Kratos” que traduzida significa “todas as forças” ou “todos os poderes”. Um estilo de combate que envolvia agarramento, socos, cotoveladas, chutes e joelhadas (muito parecidos com os estilos modernos treinados pelos praticantes de “MMA”) .

Quando Roma se tornou um império, ela adotou vários costumes gregos, um deles sendo sua forma de combate. Este estilo foi então difundido em todo império e só perdeu polularidade quando Teodósio I, em um edito em 394 d.C, o proíbe junto com os combates entre gladiadores e os festivais pagãos.

Após esta época torna-se difícil rastrear a prática desta modalidade pela Grécia ou pelo Império Bizantino. Mas, por meio das esculturas e vasos, pode-ser notar as semelhanças com os manuais do período medieval e podemos ver que os povos bárbaros também contribuíram com suas técnicas de combate culminando em vários estilos que sobrevivem por toda a europa até hoje. (há uma lista de vários estilos na página inicial).

Idade média e Renascença:

Assim como na esgrima, os “pais” modernos da esgrima também o são do combate corpo-a-corpo. No caso alemão – Johannes Lieuchtenauer, e no caso italiano – Fiore dei Liberi. No período medieval, este estilo de combate eram chamados na tradição italiana de “abrazzare” e na alemã de “kampfringen”.

O sistema de combate do Mestre Ott

Na tradição de Liechtenauer, nossa maior refência é Mestre Ott, o judeu. Conforme diz nos manuscritos medievais, ele foi “um lutador dos mais altos nobres da Áustria”. Suas técnicas aparecem em vários manuais, embora nem todos os manuais contém todas ou as mesmas informações, os principais são os do Mestres Hans Talhoffer, Sigmund Ringecck, Peter Von Danzig, Jud Lew e Fabien von Auerswald.

Drei Ringen (As 3 lutas):

Nos manuscritos podemos notar um importante conceito de combate da escola alemã, o “Drei Ringen”, um conceito simples, Hugh Knight o nomeia como um “sub-sistema completo de luta”,  que pode ser aplicado em muitas situações, inclusive em combate com facas e espadas. Este sistema pode ser compreendido como tempos de ataque e direções a serem tomadas no momento do choque. Segue o texto transcrito do original:

Hÿe heben sich an die ringen die do gesatz hat maister Ott dem got genädig seÿ der hochgeboren fürsten von Österreich ringer gewesen ist

In allen ringen süllen sein drew dingk / Das erst ist kunst / Das ander ist schnelligchait / Das dritt ist rechte anlegung der sterck / Darumb soltu mercken daß daß pest ist / Schnellichait die lest nicht zu prüche kumen / Darnach soltu mercken / daß man allen chrancken sol vor ringen / und allen geleichen sol man mit ringen / und allen starcken sol man nach ringen /und in allen vor ringen wart der schnellichait / In allen mit ringen wart der wag / und in allen nach ringen wart der knÿepüg

“Este é o começo do conjunto de lutas que foram coletados pelo mestre Ott, que Deus tenha misericórdia dele, que era um lutador dos mais nobres príncipes da Áustria.

“Em toda luta deve haver três coisas, a primeira é a habilidade, a outra é a velocidade e a terceira é uma boa aplicação de força. Assim você deve ter notado que o melhor é a velocidade que não permite que se use um contra-ataque. Em seguida, você deve observar que com todos os mais fracos, deve-se lutar antes “Vor” de e contra oponentes similares deve-se lutar no mesmo instante “Indes”e contra um mais forte, deve-se lutar no depois “Nach”. E em toda luta no “antes” se trabalha a velocidade, em toda a luta no “instante” deve-se trabalhar com a balança e em toda aluta no “depois” deve-se trabalhar as dobras do joelho “


Os princípios do Mestre Fiore dei Liberi

Fiore dei Liberi of Premariacco “nasceu entre 1340 e 1350 na cidade Friuli, uma pequena cidade perto do rio Natisone no norte da Itália. Segundo as informações disponíveis, ele vinha praticando a arte da esgrima já há 50 anos quando escreveu o seu tratado intitulado “Flos Duellatorum” ou “Flor da Batalha”. Um dos manauis indicam que ele aprendeu arte marcial sob a direção de “Johannes Swabian Suvenus”. O conhecimento e a habilidade que ele desenvolveu sob a direção de Johannes fez de Liberi um mestre um mestre em sua época.” – The Martial Arts of Renaissance Europe – Sydney Anglo, 2000

  • forteza – força,
  • presteza – velocidade,
  • rompere – conhecimento de quebra (de braços e pernas),
  • ligadura – conhecimento de travamentos (chaves de braço, etc)
  • ferire – conhecimento de locais sensíves (mais fáceis para ferir o oponente)
  • mettere in terra – conhecimento de derrubadas,
  • dislogadure – conhecimento de deslocamento (dos membros.)

(Mais detalhes na seção artigos).

Embora estes conceitos apareçam antes da seção de abrazzare, eles podem ser considerados pré-requisitos para o todo o sistema marcial descrito por Fiore e isto se torna mais claro quando vemos que o combate corpo-a-corpo é a base de todo o sistema. Por exemplo, o combate com faca/adaga pode ser visto como a extensão do combate com mão nua e estas 2 tipos de combae formam o básico para o que Fiore chama de “giocco stretto“, o combate aproximado com ou sem armadura.

Mesmo com o advento da pólvora, o combate com mãos nuas não perde espaço no período renascentista, Johann Paschen em 1659 descreve e enaltece a prática tão popular entre seus ancestrais:

“Para o nobre leitor,

Luta desarmada é um ótimo “exercitium” e a bem conhecida história nos mostra que era praticada pelos nossos antepassados, não só para se divertir, mas também à sério, pois não só melhora a condição de todo o corpo, mas assim também um pessoa mais fraca pode, pelo conhecimento desta ciência, e totalmente treinado nela, defender-se contra uma mais forte e resistir-lhe. Tão elevada como era estimada pelos nossos antepassados, tão pouco é conhecida em nosso tempo, e hoje em dia todo mundo depende de seu tamanho e força, ainda se sentem em perigo quando confrontado por um homem menor treinado nas artes. Estas circunstâncias levaram-me a trazer algumas coisas à luz nesta obra. Não hesite, amantes da luta desarmada, em aceitar de bom grado este pequeno trabalho meu, que coloco nos cuidados de Deus. “

NOSSO TREINO

Além das técnicas e conceitos do mestre Ott, nossas fontes principais são as seções de combate com mãos nuas dos manuais Codex Wallerstein e Flos Duolatorum.

Para complementar e otimizar o aprendizado, usamos também como material as técnicas usadas pelo exército americano que foram criadas por William E Fairbairn e Rex Applegate (conhecidas como “Combatives“), e mais tarde divulgadas por Carl Cestari, também comparamos com os conceitos e técnicas de Krav Maga, Chi Na e Senshido .

Como as técnicas apresentadas no manuais têm apenas o objetivo marcial, e como dissemos, o lado esportivo do combate corpo-a-corpo é de extrema importância também para o aprendizado, nós também pesquisamos e praticamos os mais variados esportes de combate modernos relacionados, tanto ocidentais como orientais (que também mostram muitas semelhanças), como luta greco-romana, wrestling estilo livre, catch as catch can, collar and elbow, scottish backhold, sambo, wing-chun, shuai-jiao, judô, aikidô e jiu-jitsu.

(Nota: Não consideramos as artes orientais mencionadas acima apenas como esportes modernos, a maioria dos praticantes aprendem apenas o lado esportivo, mas elas contém técnicas de auto-defesa pois vêem de tradições marciais)

O vídeo abaixo, do grupo polaco Ringschule, mostra muito bem os dois sistemas (mão nua e faca) usados em conjunto.

E o que preciso para treinar?

No combate medieval existem técnicas que envolvem agarramento da roupa (como no judô) e técnicas em que se usa o próprio corpo. Para facilitar a prática inicial, o treino básico envolve as técnicas que não necessitam de uma roupa específica. Para a prática das técnicas avançadas, aconselhamos a adquirir um jaquetão acolchoado (gambeson) ou um kimono de judô modificado.

Advertisements
%d bloggers like this: