Skip to content

Home

Site Novo!

Estamos inaugurando nosso novo site!
Visitem lá pessoal!

http://www.arsgladiatoria.com.br

banner_new

Esgrima Medieval?

Quando ouvimos falar sobre arte marcial, logo pensamos em esportes de combate e artes marciais orientais como Karatê, Judô, Jiu Jitsu, Muai Thai, Tae Kwon Dô, e tantas outras mais.

Mas, se o termo “marcial” tem origem no deus grec0-romano da guerra, aonde estão as artes marciais européias?
Neste último século, a maioria dos ocidentais esqueceram de sua rica tradição marcial.

Todos os povos da antiguidade desenvolveram técnicas de combate, podemos notar semelhanças em muitos estilos mesmo estando a milhares de kilômetros de distância pois afinal somos todos humanos.

Na Europa, a arte da guerra ganhou notoriedade mundial quando a Grécia/Macedônia e depois Roma, conquistaram vários povos da Eurásia. As técnicas de combate (corpo-a-corpo e militar) greco-romanas posteriormente mescladas às técnicas dos bárbaros germânicos deram origem à muitos estilos que existem até hoje, algumas mais populares como o boxe, esgrima, savate, algumas conhecidas apenas por artistas marciais como luta greco-romana, catch-as-catch can, lancashire, back-hold, cornish ou collar-and-elbow wrestling, e algumas apenas praticadas em pequenas comunidades como a Galhofa, Gouren, Glima, Schwingen, Buza, Strumpa, Trinta, lucha canaria, lotta campidesa, jogo do pau, la canne, shilleagh, bastone siciliano, garrote venezolano, makhila e tantos outros mais.

A maioria destas artes regionais preservaram apenas os aspectos esportivos ou foram adaptadas para uso civil, já que as técnicas de combate corpo-a-corpo perderam popularidade no campo de batalha graças ao advento da pólvora e nas mudanças das táticas militares.

Apesar de em séculos anteriores alguns praticantes pesquisarem e tentarem resgatar as artes antigas, as artes marciais como técnicas de combate corpo-a-corpo só voltam a se popularizar na Europa e América após a introdução das artes orientais no ocidente no começo do século XX, em maior intensidade após as grandes guerras e mais ainda na década de 60, graças a uma nova era de busca ao auto-conhecimento e a grande popularidade de filmes de kung-fu.

Enquanto muitos povos da Ásia, devido a diversos fatores, conseguiram preservar suas artes marciais passando o conhecimento diretamente de geração à geração, na Europa esta prática se extingue no período das revoluções burguesas pois representavam o “antigo regime”.
E, nestas últimas décadas, com o globalização do entretenimento e divulgação da história européia por meio da literatura, filmes, RPG e por último, vídeo-games, gerou-se um grande interesse pela armas, armaduras e técnicas marciais de nossos ancestrais.

Por sorte, muitos destes sistemas de combate sobreviveram em manuscritos que datam desde o século XII,  e agora, graças à internet,  pesquisadores e praticantes no mundo inteiro podem ter acesso à estes manuais e estão trazendo essa arte de volta à vida.


Nosso grupo:


A Ars Gladiatoria se define como um grupo que, por meio dos manuscritos medievais,  interpretações modernas e pesquisa comparativa com outras artes marciais, busca entender e viver o conjunto de valores, os princípios e o sistema de combate praticado pelos nobres europeus no medievo além de explorar e promover esta rica herança marcial e cultural de nossos antepassados.

 

http://www.facebook.com/ArsgladiatoriaBrasil
http://twitter.com/arsgladiatoria
contato.arsgladiatoria@gmail.com